Chalé Gerdau Johannpeter abrigará Memorial do Surf em Torres (RS)

Chalé Gerdau Johanpetter. Foto Divulgação/Prefeitura de Torres

A prefeitura de Torres promove nesta sexta-feira, dia 19 de janeiro, às 19h30min, a entrega do chalé construído no século XX por Walter Gerdau. A Construtora Ivo Rizzo e um grupo de empresários desmontou, restaurou e remontou a casa na sua nova localização: a Praça Zeca Scheffer, próximo à SAPT. Em breve, a antiga casa de veraneio da Família Gerdau será estruturada pela Administração Municipal como um museu, o Memorial do Surf, com intuito de preservar a história do esporte no município

O evento acontece na Avenida Beira-Mar, 205, na Praia dos Molhes. Para manter esta memória presente, o Chalé será estruturado pela Administração Municipal como Memorial do Surf e continuará sendo preservado com todo o cuidado que merece, como símbolo da história de Torres, e como mais um ponto importante para a promoção do Turismo.

Nós sabemos que este Chalé tem uma grande importância para a comunidade torrense, não só pela beleza arquitetônica, mas também por ser um símbolo do turismo no litoral gaúcho. Por isto resolvemos desmontar, restaurar e entregar para a prefeitura“, avalia Rui Back, diretor da Construtora Ivo Rizzo, empresa responsável pela recuperação e doação da casa ao lado do grupo de empresários que abraçou a causa.

Inicialmente localizado na Prainha, o Chalé foi transportado e remontado no outro extremo de Torres, nos Molhes. O empresário Eduardo Bier, veranista de Torres e um dos grandes entusiastas do projeto, salienta o ineditismo da ação. “Em Torres, é a primeira vez que um grupo de pessoas se une para preservar uma casa que não tem grande valor arquitetônico, mas que é importante para a cidade porque retrata a arquitetura clássica das casas de veraneio dos anos 1920. Eu, particularmente, estou muito contente com a preservação deste chalé. Isto é história e cultura“.

O terreno que abrigava o Chalé, na Prainha, receberá um novo empreendimento: Solos – Casas Suspensas. É um prédio único, integrado ao morro, que respeita a topografia, a natureza e o ritmo do lugar. Projetado pelo arquiteto Dino Damiani e executado pela Construtora Ivo Rizzo, o empreendimento conta com apenas 10 casas suspensas em um terreno de frente para o mar, com vista permanente.

One Comment
  1. Muito legal. O surfe gaúcho tem uma história muito bonita. Merece ter o seu museu. Que a sua história seja preservada.

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!