Brasileiros ganham seis das 10 vagas na elite do surfe mundial em 2018 – Vídeo

Conner Coffin venceu Vans World Cup od Surfing. Foto Tony Heff/WSL

A Vans World Cup of Surfing fechou o WSL Qualifying Series 2017 neste sábado no Havaí, com o Brasil conquistando seis das dez vagas para a elite dos top-34 que vai disputar o título mundial de 2018 no Championship Tour. O último a ser confirmado foi o cearense Michael Rodrigues, que ficou ameaçado de sair do G-10 até o último minuto das semifinais. Foi quando seu último concorrente, Patrick Gudauskas, terminou em quarto lugar na bateria e tiraria o brasileiro da lista se tivesse ficado em terceiro pelo menos.

Os outros classificados foram o paulista Jessé Mendes, os catarinenses Tomas Hermes, Yago Dora, Willian Cardoso e o potiguar Italo Ferreira. Os norte-americanos também festejaram no último dia, com Griffin Colapinto tirando o primeiro lugar no ranking final do QS 2017 do brasileiro Jessé Mendes, Conner Coffin vencendo a World Cup e Kolohe Andino sendo o vice-campeão. O australiano Wade Carmichael ficou em terceiro lugar e o próprio Colapinto em quarto no QS 10000 de Sunset Beach.

Griffin Colapinto é o campeão do WQS 2017.. Foto Tony Heff/WSL

O jovem Griffin Colapinto, 19 anos, também ganhou uma batalha direta pela liderança da Tríplice Coroa Havaiana com Wiggolly Dantas nas semifinais. Na primeira etapa desta competição especial que fecha a temporada da World Surf League na ilha de Oahu, o californiano ficou em segundo lugar na decisão do Hawaiian Pro e o Wiggolly em terceiro. O campeão Filipe Toledo não competiu em Sunset, então a briga pela ponta era entre os dois.

A bateria foi logo dominada por Colapinto e por Wade Carmichael, que atacou uma onda com seu “power surf” agressivo para ganhar 9,57 dos juízes. Mas, o norte-americano liderou desde o início com as notas 6,17 e 8,23 das suas duas primeiras ondas. Wiggolly Dantas só conseguiu surfar nos 10 minutos finais, mas em ondas que só proporcionavam uma ou duas manobras antes de fechar. Já era tarde para uma reação e ele terminou em terceiro lugar na disputa pelas duas primeiras vagas na grande final.

Wiggolly Dantas está na briga pela Tríplice Coroa Havaiana. Foto Tony Heff/WSL

ÚLTIMA VAGA – Na outra semifinal, foi decidida a última classificação para o CT 2018. Eram três norte-americanos e Patrick Gudauskas tiraria o brasileiro Michael Rodrigues do G-10 se ficasse no mínimo em terceiro lugar na bateria. Mas seus compatriotas Conner Coffin e Kolohe Andino, que já estão na elite, atacaram as ondas para receber grandes notas e ganharam as duas últimas vagas para tentar o prestigiado título da Vans World Cup of Surfing.

Mesmo assim, Patrick poderia conseguir a última vaga no CT se ficasse em terceiro lugar, à frente de Barron Mamiya. Ambos quase não surfaram na bateria. O californiano surfou uma no início que valeu 6,23 e só pegou outra há três minutos do fim. Ele ainda teve mais uma chance de superar o havaiano, mas não conseguiu. A nota saiu 5,77 e ele ficou em último por quatro décimos, totalizando 12,00 pontos contra 12,04 do terceiro colocado.

Italo Ferreira se garantiu na elite pelo WQS. Foto Tony Heff/WSL.

Com isso, a última vaga para o CT 2018 ficou mesmo para Michael Rodrigues. Ele perdeu na sexta-feira e o sábado começou com nove surfistas tendo chances matemáticas de ultrapassa-lo. Mas, para a sua felicidade, todos foram caindo um a um, até acontecer o único resultado que ainda manteria o cearense no G-10, Patrick Gudauskas ficar em último na semifinal. Para Michael Rodrigues, foi o fim de uma agonia que durou o dia inteiro, pois em quase todas as baterias tinha alguém ameaçando a sua última vaga na lista.

SELEÇÃO BRASILEIRA – O cearense é a quinta novidade na “seleção brasileira” do CT no ano que vem. Os outros que também nunca fizeram parte do seleto grupo dos 34 melhores surfistas do mundo e vão estrear na divisão principal da World Surf League em 2018 são o paulista Jessé Mendes e os catarinenses Tomas Hermes, Yago Dora e Willian Cardoso. O potiguar Italo Ferreira já era da elite e confirmou sua permanência entre os 10 indicados pelo QS no sábado também em Sunset Beach.

Adriano de Souza lidera o time brasileiro na elite em 2018. Foto Keoki Saguibo/WSL

Em 2018, o Brasil estará reforçado por um surfista a mais do que os nove deste ano, pois quatro estão entre os 22 primeiros do CT que são mantidos na elite dos top-34, os campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, Filipe Toledo e Caio Ibelli. E este número pode até aumentar, caso Miguel Pupo e Wiggolly Dantas consigam entrar no G-22 do CT no Billabong Pipe Masters, que começa nesta sexta-feira, 8 de dezembro. Pupo está em 23º no ranking e Wiggolly é o 24º, seguido por Italo Ferreira em 25º. Se o potiguar se classificar pelo CT, sua vaga no QS fica para o americano Patrick Gudauskas.

MAIORIA BRASILEIRA – Os brasileiros chegaram no sábado com maioria entre os 32 escalados nas oitavas de final que abriram o último dia em Sunset Beach. O mar tinha baixado um pouco em relação aos outros dias, mas o swell continuou bombando séries pesadas de 2 metros, porém com longos intervalos entre as séries e poucas ondas boas entrando nas baterias. Os sete brasileiros ficaram divididos em cinco baterias.

Miguel Pupo terá que se garantir pela elite em Pipeline. Foto Keoki Saguibo/WSL

Na primeira do dia, entraram dois e só um passou, Caio Ibelli, na vitória de Dion Atkinson. Os favoritos eram o campeão mundial Adriano de Souza e outro australiano, Matt Wilkinson, que acabaram eliminados. O peruano Miguel Tudela competiu na segunda e ficou em último. A terceira foi outro confronto direto entre Brasil e Austrália que terminou empatado, o baiano Bino Lopes venceu, Stu Kennedy passou em segundo e Miguel Pupo, que estava bem próximo do G-10, não achou as ondas nas condições irregulares do mar e ficou em último.

Na bateria seguinte, Wiggolly Dantas usou seu “backside attack” explosivo nas direitas de Sunset Beach para avançar junto com seu principal concorrente no ranking da Tríplice Coroa Havaiana, Griffin Colapinto. Depois, os brasileiros começaram a ajudar Michael Rodrigues a permanecer no G-10. Italo Ferreira barrou o sul-africano Michael February, que já tiraria a vaga do cearense se passasse essa bateria encerrada com vitória portuguesa de Vasco Ribeiro. E Lucas Silveira despachou outro forte concorrente que estava se aproximando a cada rodada, o italiano Leonardo Fioravanti.

Wade Carmichael é o novo integrante da elite do surfe mundial. Foto Tony Heff/WSL

MAIORIA AMERICANA – Nas quartas de final, apenas Wiggolly Dantas se classificou, vencendo muito bem a primeira bateria com a força do seu backside vertical atacando os pontos mais críticos das direitas em Sunset Beach. Na segunda bateria, os novos tops do CT, Griffin Colapinto e Wade Carmichael, derrotaram o paulista Caio Ibelli e o baiano Bino Lopes.

Na seguinte, Conner Coffin e Kolohe Andino iniciaram contra o carioca Lucas Silveira, uma dobradinha campeã que foi até o pódio. Na última quarta de final, Italo Ferreira também ficou em terceiro, eliminado por Patrick Gudauskas e o havaiano Barron Mamiya, a grande surpresa do evento. A situação então se inverteu e os norte-americanos passaram a ter maioria entre os semifinalistas, quatro surfistas contra dois australianos, um brasileiro e um havaiano.

Na primeira, a dupla Colapinto e Carmichael tirou o Brasil da decisão do título, com Wiggolly Dantas terminando em quinto lugar na World Cup. Na outra bateria, deu Conner Coffin e Kolohe Andino mais uma vez, contra Barron Mamiya e Patrick Gudauskas. Na última bateria do campeonato, a dobradinha americana se repetiu com Conner Coffin ganhando o troféu de campeão da segunda joia da Tríplice Coroa Havaiana. Kolohe Andino ficou em segundo lugar, seguido por Wade Carmichael e o campeão do QS 2017, Griffin Colapinto.

Os finalistas do Vans World Cup of Surfing em Sunset Beach. Foto Tony Heff/WSL

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DA VANS WORLD CUP OF SURFING:
Campeão: Conner Coffin (EUA) por 14,33 pontos (7,33+7,00) – US$ 40.000 e 10.000 pontos
Vice-campeão: Kolohe Andino (EUA) com 12,60 (8,17+4,43) – US$ 20.000 e 8.000 pontos
Terceiro lugar: Wade Carmichael (AUS) com 11,60 (6,03+5,57) – US$ 12.000 e 6.700 pontos
Quarto lugar: Griffin Colapinto (EUA) com 8,17 (7,57+0,60) – US$ 10.000 e 6.300 pontos

SEMIFINAIS – (3º=5º lugar, US$ 7.500 e 5.300 pts/4º=7º, US$ 6.500 e 5.100 pts):
1ª: 1-Griffin Colapinto (EUA), 2-Wade Carmichael (AUS), 3-Wiggolly Dantas (BRA), 4-Dion Atkinson (AUS)
2ª: 1-Conner Coffin (EUA), 2-Kolohe Andino (EUA), 3-Barron Mamiya (HAV), 4-Patrick Gudauskas (EUA)

QUARTAS DE FINAL (3º=9º lugar, US$ 5.250 e 3.800 pts/4º=13º, US$ 4.750 e 3.600 pts):
1ª: 1-Wiggolly Dantas (BRA), 2-Dion Atkinson (AUS), 3-Benji Brand (HAV), 4-Stu Kennedy (AUS)
2ª: 1-Wade Carmichael (AUS), 2-Griffin Colapinto (EUA), 3-Caio Ibelli (BRA), 4-Bino Lopes (BRA)
3ª: 1-Kolohe Andino (EUA), 2-Conner Coffin (EUA), 3-Lucas Silveira (BRA), 4-Vasco Ribeiro (PRT)
4ª: 1-Patrick Gudauskas (EUA), 2-Barron Mamiya (HAV), 3-Italo Ferreira (BRA), 4-Sebastian Zietz (HAV)

OITAVAS DE FINAL (3º=17º lugar, US$ 2.850 e 2.300 pts)/4º=25º, US$ 2.350 e 2.100 pts):
1ª: 1-Dion Atkinson (AUS), 2-Caio Ibelli (BRA), 3-Adriano de Souza (BRA), 4-Matt Wilkinson (AUS)
2ª: 1-Benji Brand (HAV), 2-Wade Carmichael (AUS), 3-Maxime Huscenot (FRA), 4-Miguel Tudela (PER)
3ª: 1-Bino Lopes (BRA), 2-Stu Kennedy (AUS), 3-Ethan Ewing (AUS), 4-Miguel Pupo (BRA)
4ª: 1-Griffin Colapinto (EUA), 2-Wiggolly Dantas (BRA), 3-Frederico Morais (PRT), 4-Makai McNamara (HAV)
5ª: 1-Vasco Ribeiro (PRT), 2-Italo Ferreira (BRA), 3-Michael February (AFR), 4-Aritz Aranburu (ESP)
6ª: 1-Conner Coffin (EUA), 2-Sebastian Zietz (HAV), 3-Imaikalani Devault (HAV), 4-Cody Young (HAV)
7ª: 1-Barron Mamiya (HAV), 2-Lucas Silveira (BRA), 3-Michel Bourez (TAH), 4-Leonardo Fioravanti (ITA)
8ª: 1-Patrick Gudauskas (EUA), 2-Kolohe Andino (EUA), 3-Kanoa Igarashi (EUA), 4-David Van Zyl (AFR)

G-10 DO WSL QUALIFYING SERIES 2017 – após a última etapa no Havaí:
1º: Griffin Colapinto (EUA) – 26.900 pontos
2º: Jessé Mendes (BRA) – 25.400
3º: Kanoa Igarashi (EUA) – 23.030 e top-22 do CT
4º: Wade Carmichael (AUS) – 21.400
5º: Tomas Hermes (BRA) – 20.880
6º: Yago Dora (BRA) – 20.450
7º: Italo Ferreira (BRA) – 20.360
8º: Willian Cardoso (BRA) – 19.000
9º: Keanu Asing (HAV) – 16.950
10º: Ezekiel Lau (HAV) – 16.750
11: Michael Rodrigues (BRA) – 16.550

———sul-americanos até 100:
12: Filipe Toledo (BRA) – 16.500 pontos
20: Wiggolly Dantas (BRA) – 13.155
22: Miguel Pupo (BRA) – 13.040
23: Jadson André (BRA) – 12.855
26: Adriano de Souza (BRA) – 11.960
27: Alejo Muniz (BRA) – 11.850
28: Bino Lopes (BRA) – 11.760
33: Alex Ribeiro (BRA) – 11.400
35: Deivid Silva (BRA) – 10.960
37: Flavio Nakagima (BRA) – 10.600
50: Miguel Tudela (PER) – 8.330
51: Peterson Crisanto (BRA) – 8.200
52: Caio Ibelli (BRA) – 8.100
55: Lucas Silveira (BRA) – 7.900
59: Marco Giorgi (URU) – 7.700
60: Thiago Camarão (BRA) – 7.660
61: Victor Bernardo (BRA) – 7.630
70: Heitor Alves (BRA) – 6.600
74: Rafael Teixeira (BRA) – 6.215
75: Hizunomê Bettero (BRA) – 6.210
79: Luel Felipe (BRA) – 5.860
81: Marco Fernandez (BRA) – 5.675
85: Krystian Kymerson (BRA) – 5.474
90: Ian Gouveia (BRA) – 5.250
91: Tomas Tudela (PER) – 5.170
93: Raoni Monteiro (BRA) – 5.110
99: Mateus Herdy (BRA) – 4.780
101: Samuel Pupo (BRA) – 4.580
104: Marcos Correa (BRA) – 4.520

Por João Carvalho – WSL Media Officer

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!