Turn the Tide on Plastic “desaparece” na Leg 2 rumo a Cidade do Cabo

A bordo do Turn the Tide on Plastic. Foto Sam Greenfield/Volvo Ocean Race.ovember, 2017

Pela primeira vez na edição 2017/2018 da Volvo Ocean Race, uma equipe literalmente desapareceu do mapa. Durante toda a sexta-feira (10), o Turn the Tide on Plastic optou por entrar no modo sigilo e sua posição ficou escondida de seus rivais durante 24 horas na segunda etapa da volta ao mundo. O objetivo da equipe comandada pela britânica Dee Caffari foi tentar se aproximar do pelotão e sair da última colocação.

O conceito foi criado para nos encorajar a tomar decisões audaciosas, mas neste caso é apenas para ajudar a plantar a semente de dúvida nos nossos concorrentes em relação à quantidade de vento que vamos pegar mais a oeste“, disse Dee Caffari.

Foto Sam Greenfield/Volvo Ocean Race.

Os barcos recebem relatórios de posição apenas quatro vezes por dia e cada equipe pode escolher um modo sigilo por etapa. Isso pode ser usado para vantagem tática, como mudança drástica de bordo e passagem de uma ilha, por exemplo. A única restrição fica para a parte final da prova, ou seja, faltando 200 milhas ninguém desaparece. “Pode haver outra oportunidade em que isso seja vantajoso, mas não podemos ver o futuro, então temos que apostar nele agora”, concluiu Dee Caffari.

A segunda etapa tem vantagem provisória do Dongfeng Race Team. O time da China abriu pequena vantagem para MAPFRE, Akzonobel e Vestas 11th Hour Racing após as passagem pela ilha de Cabo Verde. “Estamos poucas milhas de onde devem começar os Doldrums. Por isso é velocidade pura para chegar mais ao sul possível“, disse o navegador do Vestas 11th Hour Racing, Simon Fischer. Ainda nesta sexta-feira, a equipe do Team Brunel teve que arrumar o outrigger do barco navegando a topo pano.

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!