Principais remadores realizam expedição inédita ao arquipélago de Alcatrazes

Arquipélago Alcatrazes será aberta ao público em 2018. Foto Gabriel Jurado.

Segunda maior preservação marinha do país e fechada desde a década de 80 para exercícios de tiro da Marinha do Brasil, o arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo será explorado pelos principais remadores de canoa havaiana no próximo dia 19 de novembro. A expedição, que tem a parceria da prefeitura de São Sebastião, contará com presença do waterman Alemão de Maresias, um dos principais big riders do país.

A expedição que contará com cinco a seis canoas havaianas para 12 remadores cada e um barco de apoio, será o primeiro evento esportivo a ser realizado no arquipélago desde o início da década de 80. Considerada a segunda maior preservação marinha do Brasil, Alcatrazes foi oficializado como Refúgio de Vida Silvestre há cerca de um ano e, com isso, passou a ser totalmente protegida e liberada à visitação e mergulho. O local tem 67 mil hectares e 13 ilhas a cerca de 40 quilômetros da costa de São Sebastião (SP).

A expedição é liderada por nomes como Geórgia Michelucci, que coordena o clube São Sebastiãoo VA´A em São Sebastião; Douglas Moura (Puro Suco/Evoke/Jeewin Sports Care/Angelo Boechat Idiomas/Academia Niterói Swim/Raldrei Natividade Fisioterapia/Rpilates), um dos principais nomes do esporte no país.

A expedição, que tem a autorização do Núcleo de Gestão da ICMBio (Instituto Cândido Mendes de Conservação da Biodiversidade), é uma iniciativa experimental de visitação à ilha, que será regulamentada em janeiro de 2018. As autorizações estão sendo usadas para que se adeque a logística quando o arquipélago for liberado ao ecoturismo no próximo ano. Geórgia Michelucci explica o itinerário a ser realizado começando no dia anterior, 18 de novembro, com briefing e preparativos.

A expedição começará um dia antes, no dia 18 de novembro, onde no meio para o fim da tarde faremos um briefing no Observatório Turístico que fica na Praia Grande. Será um briefing ambiental do ICMBio falando sobre todas as regras na chegada à ilha para os remadores, o staff e imprensa que quiser estar presente. Na sequência teremos o briefing técnico dos remadores explicando as condições que teremos do mar, carta náutica, horário de saída, como serão as trocas de revezamento. Teremos palestra do Fausto Pires que tem um grande acervo sobre Alcatrazes e um dos que mais brigou para que Alcatrazes fosse tombada como refúgio. Ainda teremos uma exposição de fotos de Val Pereira com imagens da região. A saída será às 5h da manhã da Praia Grande de São Sebastião com previsão de chegada entre 9h e 10h. Lá faremos uma volta pelo arquipélago de cerca de 15 quilômetros e vamos parar por cerca de duas horas para fazer mergulho, tirar fotos, filmagens e explorar as belezas da região e depois teremos o retorno“, explicou Geórgia que disputa competições e realiza expedições há três anos e desenvolve o projeto Canoa para Todos com participação de crianças, adolescentes, idosos, pessoas com mobilidade reduzida, entre outras.

A história do arquipélago para nossa região e também para o Brasil. Durante 30 anos lutamos para que essa área deixasse de ser área da Marinha, há pouco tempo atrás o arquipélago era alvo da Marinha e do continente, das praias de São Sebastião víamos e ouvíamos os exercícios e os tiros e bombardeis. É uma conquista para nós e essa expedição será nosso primeiro momento como comunidade em fazer a chegada no arquipélago e com essa filosofia que tem a canoa havaiana. O enfoque como esporte é muito importante, mas também no ponto de vista sócio-ambiental que é uma conquista“, revelou Maria Cecília Borges, remadora caiçara e defensora do mangue do Araçá, situado em São Sebastião ao lado do porto.

Alemão de Maresias, que pratica o surfe há 30 anos contou sua experiência com a canoa havaiana e o quanto ela ajuda em seus treinamentos para ser um dos 10 principais big riders do país: “Ela é a mãe dos esportes que eu pratico e junto com Stand Up Paddle são os esportes que mais me motivam atualmente. O que mais gosto é pegar ondas gigantes, mas tenho como base no treinamento a cano havaiana e o Stand Up em competições e travessias de longa distância, ajudam muito no meu preparo físico e psicológico“.

A canoa havaiana entrou na minha vida não foi por acaso, já vinha procurando conhecer a cultura polinésia e havaiana. Existe a cultura havaiana, mas a polinésia de onde há os taitianos, havaianos, rapanues e os neozelandeses com uma cultura muito grande de navegação e quando conheci essa cultura estando no Tahiti, na Ilha de Páscoa é que passei a conhecer a essência da canoa havaiana e vi que ela é parte das famílias. Lá cada família tem oito, dez canoas e membros da canoa praticam, é um esporte que une as pessoas e famílias. Vendo essa tradição me empolguei mais em viver a canoa havaiana em minha região, indo aos clubes e participando de travessias de longa distância, uma das coisas mais incríveis com amigos, parceiros e amantes do mar como sou“.

Douglas Moura, natural de Niterói (RJ), fundador do Icarahy Club de Canoa, destacou o significado da travessia e as expectativas para o trajeto: “Quando você está reunindo grandes nomes do esporte no Brasil de modo que remete à origem do nosso esporte é algo muito significativo que não remete ao lado competitivo. O espírito da canoa estará presente em todos os momentos com união, respeito, alegria, diversão, um dando o suporte ao outro e todos completarmos felizes, sem egos“, afirmou: “É um trajeto duro, não teremos local para abortar caso não esteja seguro, é diferente de você fazer 40km pela costa ou mar adentro, é um trajeto bem difícil e demandará resistência e navegação precisa. Estamos falando em remar mais de 80 km num dia só, desafiador para a mente. Como estaremos diante de grandes nomes da canoa, caras experientes, com certeza absoluta teremos um dia inesquecível pois estaremos juntos e completaremos“.

Serviço:

Dia 18 de Novembro, sábado – Briefing ambiental do ICMBio sobre o arquipélago + Briefing Técnico no Observatório Turístico na Praia Grande – São Sebastião (SP)

Dia 19 de Novembro, domingo – Saída em torno das 5h da Praia Grande em direção ao arquipélago com chegada prevista para 9h ou 10h + volta no arquipélago + duas horas de exploração do local e mergulho – Retorno no início/meio da tarde

Com informações de Galla Press

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!