MAPFRE assume liderança da flotilha em momento crucial da Leg 2

MAPFRE assumiu a liderança. Foto Ugo Fonolla.

A flotilha da Volvo Ocean Race segue rumo a Cidade do Cabo e a medida que os veleiros avançam pelo Atlântico chega o momento da decisão crucial que pode influir no resultado geral da Leg 2. As sete equipes encararam condições extremas nas últimas 48 horas com os barcos velejando a uma velocidade acima de 30 nós, e a equipe espanhola do MAPFRE, já assumiu a liderança da flotilha, com o Dongfeng Race Team em segundo, seguido do Team Akzonobel, da brasileira Martine Grael.

Mas, além de lidar com as exigências físicas, as tripulações da Volvo Ocean Race estão presas a um jogo mental de xadrez na água, enquanto tentam escolher o momento ideal para se dirigirem mais diretamente para o sul. A flotilha está distribuída em uma área de apenas 60 milhas quadradas, com o MAPFRE optando pela rota mais a sul, enquanto Dongfeng está cerca de 40 milhas a noroeste, escolhendo a opção ocidental.

Equipe Vestas 11th Hour analisa carta náutica para tomar a melhor decisão. Foto Martins Keruzore/Volvo Ocean Race

De acordo com o timoneiro do Dongfeng Race Team, Pascal Bidegorry, a terceira noite no mar será crucial para o restante da Leg 2. “O plano é pegar a pressão máxima“, disse ele. “Para fazer isso, temos que chegar ao oeste. Temos que ter cuidado com a sombra das Ilhas Canárias e do Cabo Verdes. Esta noite será a chave para a regata, especialmente em relação à nossa posição para o oeste, em relação a zona de Doldrums. Temos que tomar uma boa decisão hoje à noite“, explicou.

Para descrever a dificuldade que as equipes estão enfrentando, Bidegorry acrescentou: “Há muita água à nossa volta e em nós. Estamos completamente molhados dentro e fora do veleiro“. Com a previsão de melhora das condições nos próximos dias, o foco para cada uma das equipes é tomar as melhores decisões nas próximas horas. “Toda a flotilha chegou a encontrar essa aceleração na Madeira e agora temos que brincar com os turnos de vento“, disse Antonio ‘Neti’ Cuervas-Mons, da MAPFRE. “Nós temos que brincar com cada turno e lidar com o empilhamento de velas (no lado do barlavento do barco), e isso é realmente um incômodo, pois é bastante pesado devido à água que está em todo os lugares. Mas após esses dois dias difíceis, o vento vai cair e tudo ficará mais calmo“, emendou.

Leg 2 – Relatório de posição – Terça 7 de novembro (Dia 3) – 13h
1º MAPFRE – distância até ao final – 4.938,3 milhas náuticas
2º Dongfeng Race Team + 22.0nm
3º Vestas 11th Hour Racing +36.0
4º Team AkzoNobel +37.2
5º Turn the Tide on Plastic +43.3
6º Sun Hung Kai / Scallywag +45.3
7º Team Brunel +56,9

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!