Circuito ASN 2017: Theo Fresia garante passagem para Ilhas Mentawais

Theo Fresia. Foto Guilherme Milward

Depois de tantos adiamentos, toda espera valeu muito a pena e os atletas elogiaram bastante a decisão da diretoria da Associação de Surfe de Niterói (ASN) para colocar o encerramento do circuito em boas condições. O primeiro dia de competição da terceira etapa do Circuito ASN 2017 foi realizado no dia 2 de novembro, com altas ondas no Costão de Itacoatiara.

A lanchonete Puro Suco é a maior incentivadora do surfe niteroiense e disponibilizou uma estrutura móvel para a associação colocar as disputas na melhor localização da praia. O dia foi longo e contou com muitas atrações. A pontuação dobrada desta etapa aumentou a emoção nas baterias e os melhores surfistas amadores do Estado do Rio de Janeiro proporcionaram um verdadeiro show de surfe.

Sempre visando favorecer os atletas, as disputas das categorias Mirim e Iniciante aconteceram no dia 4, no canto da pedra do Pampo. Os principais surfistas da cidade de até 16 anos, além dos visitantes vindos de Arraial do Cabo, Saquarema e Rio de Janeiro, aproveitaram as boas ondas de meio metro com vento terral.

OPEN

Ayrton Dylan, que era o líder do ranking da categoria Open após duas etapas, não compareceu, pois foi competir no Hang Loose São Sebastião Pro, QS3000, em Maresias. Com isso, oito surfistas tinham chances de se tornar campeão do ranking. A cada fase, alguns pretendentes iam caindo, e na final, dois permaneceram vivos: o representante local Luca Nolasco e o buziano Theo Fresia.

Luca Nolasco. Foto Guilherme Milward.

Luca precisava terminar duas posições acima do Theo. Mas o representante da Região dos Lagos abriu a bateria manobrando forte em uma boa esquerda e administrou a liderança até o término. Com a vitória manteve a hegemonia de Búzios nessa categoria, sendo o quinto atleta diferente a vencer nos seis últimos eventos. Ele fechou o ano com chave de ouro ao ganhar a etapa e um final de semana na Pousada Itamambuca Casa de Praia, e por ter sido o campeão do circuito vai realizar o sonho de surfar as ondas mais perfeitas do planeta no conforto do Hidden Bay Resort Mentawais, com direito a alimentação e barco para ir atrás das melhores ondas nas bancadas do paradisíaco arquipélago da Indonésia.

Raphael Guimarães. Foto Guilherme Milward

O ex-integrante do Super Surf, Raphael Guimarães, tinha uma nota alta e na contagem regressiva teve uma última oportunidade mas bateu na trave. Com o segundo lugar, foi o melhor surfista da cidade nesta etapa, faturou uma bolsa de um mês na Mombak Fit e também um curso básico de tow-in com a Water Life Resgate, dos guarda-vidas militares especializados em resgate com jet ski, Péricles Gomes e Guido Serafini. Luca Nolasco finalizou em terceiro no campeonato e foi o melhor niteroiense no circuito. Ele conquistou o patrocínio da Mombak Fit, que dará o direito a uma bolsa de um ano no estúdio especializado em treinamento funcional. O carioca Kedian Zamora esboçou uma reação no final da bateria mas permaneceu em quarto.

LEGENDS

Uma das principais atrações do dia foi a bateria de homenagem aos fundadores da ASN, com a presença da primeira geração de profissionais de Niterói. Top do circuito mundial e primeiro niteroiense a ter vencido uma etapa do WCT, em 1994 (Biarritz na França), Ricardo Tatuí mostrou que continua com o surfe afiado e registrou a maior pontuação da competição para vencer a bateria.

Ricardo Tatuí venceu a bateria dos Legends. Foto Guilherme Milward

Fernando Cunha Gal é signatário da ata de fundação da associação e foi Back14 da OSP na década de 80. Ele encontrou boas ondas e foi o segundo na bateria. Marcelo Maia representou a cidade nas competições estaduais e nacionais, aplicou suas fortes rasgadas e ficou em terceiro. Carlos Alexandre Baldaque, o Japão, o primeiro atleta da cidade a assinar um contrato de surfista profissional nos anos 80, ficou precisando de uma segunda boa nota na bateria e terminou em quarto. Porém, todos ficaram muitos felizes com a homenagem, com a oportunidade de relembrar o passado e voltar vestir a camisa de lycra na ASN.

Carlos Baldaque, o Japão. Foto Guilherme Milward

JUNIOR
O carioca Daniel Domingos finalizou o ano com 100% de aproveitamento na Junior, com três vitórias nas três etapas. Pedro Amorim foi melhorando seu placar a cada onda surfada e ficou em segundo. Bernardo Ribeiro começou muito bem a bateria, mas acabou sendo ultrapassado e terminou em terceiro. O são joanense Vicente Ferreira era o outro finalista que tinha chance de se tornar campeão do circuito, mas ficou precisando trocar sua segunda melhor nota e finalizou em quarto.

Daniel Domingos. Foto Guilherme Milward

MASTER
Bernard Broitman usou suas fortes batidas de backside para chegar ao lugar mais alto do pódio da categoria Master, além de fazer a festa da torcida local por ter garantido a única vitória de Niterói no primeiro dia de competição. Rafael Mignani conseguiu encaixar quatro manobras em uma boa esquerda e chegou perto do título. Os dois protagonizaram a disputa pelo ranking mais equilibrada e a diferença do Bernard (3531) para o Rafa (3529) foi de apenas 2 pontos. Alexandre Almeida é assíduo frequentador dos campeonatos em Niterói e terminou em terceiro. Erik Knappi retornou as competições depois de alguns anos, surfou muito bem durante todo evento e chegou na final da Master, finalizando em quarto.

Erik Knappi. Foto Guilherme Milward

GRAND MASTER

O carioca Luiz Menezes encontrou o melhor tubo do campeonato na decisão da Grand Master e concluiu o ano com a vitória na etapa e no ranking. O competitivo Rafael Mignani é um dos surfistas de Niterói mais difíceis de serem batidos. Chegou a mais uma final e terminou em segundo. Alexandre Almeida, o Dadazinho, participou de todas as finais das categorias que disputou nesse ano e finalizou com mais uma terceira colocação. O big rider Rafael Curi aproveitou as boas condições do Costão, avançou para a decisão e ficou em quarto lugar.

MIRIM

Bernardo Ribeiro. Foto Guilherme Milward

O surfista de Cabo Frio Bernardo Ribeiro não perdeu a viagem. Ele optou em se posicionar mais para o meio da praia e encaixou boas manobras nas esquerdas para garantir a primeira colocação. O niteroiense Danilo de Souza ficou com o vice na etapa e com o título do ranking. O carioca Pedro Amorim machucou as costas treinando e era dúvida no sábado. Mas ele recebeu atendimento do atleta e fisioterapeuta Rafael Mignani, conseguiu se recuperar, avançou duas fases para chegar a decisão e terminou em terceiro. O niteroiense Valentino Belga voltou a competir em casa depois de uma temporada de treinos na Europa e Indonésia. Ele completou a final na quarta colocação.

INICIANTE

Caio Knappi. Foto Guilherme Milward

Caio Knappi mostrou que está evoluindo bastante, aplicou fortes batidas e manteve sua soberania em Niterói, pois venceu todos os campeonatos que disputou neste ano. O ranking final da categoria Iniciante será formado pelos quatro melhores resultados somando o Circuito ASN e o Circuito ASN Puro Suco Nova Geração 2017. Uma das revelações da capital fluminense, Diego Brígido ficou em segundo. Caio Alvarez começou a competir nesse ano, já está se desenvolvendo no esporte e fechou sua participação em terceiro. Marcos Paulo, do projeto social da Associação de Surf da Rocinha, cometeu interferência e acabou em quarto.

Floriano Pinheiro. Foto Guilherme Milward

O Circuito ASN 2017 tem patrocínios da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, Puro Suco, Hidden Bay Resort Mentawais, Unimed Leste Fluminense, Pena, Mombak Fit, Pousada Itamambuca Casa de Praia, Water Life Resgate, Molusco, Hot Buttered, Hillstone, Escola de Surf da Rayza Silveira, Parafina G-Wax, André Cebola Shaper, Black Design Surfboards e Pranchas Bou.

Fernando Cunha. Foto Guilherme Milward

Por João José Macedo

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!