MAPFRE e Akzonobel perseguem Vestas 11th Hour Racing no terceiro dia de regata

Terceiro dia a bordo do Team Akzonobel. Foto Konrad Frost/VOR

As próximas 24 horas prometem ser decisivas para as equipes que disputam a primeira etapa da edição 2017/2018 da Volvo Ocean Race, entre Alicante, na Espanha, e Lisboa, em Portugal. Os barcos serão obrigados a contornar a ilha de Porto Santo antes de sprint final até Lisboa, e apesar de sustentar a liderança por quase três dias, o Vestas 11th Hour Racing ainda não tem folga para os adversários pela ponta. O MAPFRE e o Team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, têm reais chances de ultrapassar.

Team Brunel a procura dos adversários. Foto Martin Keruzore/Volvo Ocean Race.

A meteorologia indica que esse ataque à liderança do Vestas 11th Hour Racing deve ser feito até a quinta-feira (26), quando os barcos deverão contornar a Ilha de Porto Santo, ao norte da Ilha da Madeira. Os ventos até o chamado ‘gate’ – termo usado na vela para indicar uma linha obrigatória de passagem – devem variar muito, mas após isso prometem soprar mais forte na direção do destino final, que é a capital portuguesa. Antes de largar, Martine Grael disse que o sprint final seria de vento em popa, ou seja, com muita velocidade até a linha de chegada.

Terceira dia a bordo do Turn the Tide on Plastic. Foto Jen Edney/VOR

Nas últimas 24 horas, a intensidade mudou de muito fraca para média. A organização adicionou mais um gate ao norte do arquipélago para aumentar ainda mais a emoção da primeira etapa da Volvo Ocean Race. “Desde que deixamos Gibraltar tem mudado muito. É um pouco frustrante ver os adversários tirando algumas milhas de nós, mas espero que possamos acelerar“, disse o comandante do Vestas 11th Hour Racing, Charlie Enright.

Acompanhe a posição dos barcos em tempo real

Enquanto MAPFRE e AkzoNobel tentam achar o melhor ângulo para assumir a ponta, Team Sun Hung Kai/Scallywag, Dongfeng Race Team, Team Brunel e Turn the Tide on Plastic estão praticamente alinhados. “As últimas duas noites foram bastante contrastantes. Na anterior, tivemos 30 nós e muita água espirrando a abordo, enquanto na noite passada pegamos de dois a três nós apenas tentando manter as velas cheias“, explicou o campeão olímpico e da America’s Cup, Peter Burling. Ele corre no Team Brunel. O time do Sun Hung Kai / Scallywag teve um problema na noite passada com uma peça que quebrou. Apesar do susto e do contratempo, o barco de Hong Kong segue firme no segundo pelotão.

MAPFRE vem na peserguição aos líderes. Foto Ugo Fonolla/VOR

Com informações de Flávio Perez – Assessoria de Imprensa Volvo Ocean Race

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!