As impressões de Manu Pacheco na primeira temporada havaiana

Manu Pacheco em Rocky Point. Foto Bruno Lemos

Foram 30 dias desfrutados com muitas ondas e novas experiências para a surfista Manu Pacheco. Esta foi a primeira temporada no North Shore , em Oahu, da bicampeã catarinense de surfe amador, que foi em busca de evolução em suas performances nas ondas fortes que o Havaí proporciona.

Nada mal para uma garota com 16 anos de idade desafiar as ondas do arquipélago havaiano. Acostumada aos fundos de areia no Brasil, a bicampeã catarinense de surfe amador Manu Pacheco teve que se adaptar as bancadas com rasos fundos de corais do North Shore da ilha de Oahu. Uma experiência nova e desafiadora para uma novata no pico.

Manu Pacheco batendo forte em Rocky Point. Foto Bruno Lemos

A garota se saiu bem e aproveitou ao máximo sua estadia de um mês. Surfou as principais ondas do lugar, como Sunset Beach, Pipeline (pequeno como destacou), Ehukai Beach, Haleiwa, Velzyland e Rocky Point, estas duas últimas eleitas suas preferidas. “Gostei muito de Rocky Point pois são ondas fortes e que proporcionam alta performance, ideal para quem está em busca de evolução nas manobras e velocidade no surf”, declarou Manu.

O fator de ter um canal a disposição para entrar nos picos chamou a atenção da catarinense, diferente do que está acostumada em águas brasileiras. Essa facilidade de chegar ao pico sem tomar ondas na cabeça não salvou Manu de passar alguns apertos durante sua estadia no Hawaii. Foram dois momentos de tensão enfrentados pela jovem surfista. “A primeira foi em Sunset, com séries de 6 pés, e com as ondas subindo rapidamente. Peguei apenas uma onda e saí do mar com a ajuda de uma australiana. A outra foi em Alligators, uma bancada longe da praia.Também peguei uma onda e saí com a ajuda de um local”, revelou. Perguntada sobre se tem arrependimento da ousadia, a resposta foi não.

Manu Pacheco também desfilou beleza nas areias do Havaí.

Nesse turbilhão de emoções e adrenalina, Manu Pacheco pode absorver experiências únicas em sua jornada havaiana. Uma delas foi surfar ao lado de grandes surfistas como a ex-top mundial Aleeza Quizon em Rocky Point e Tia Blanco em Haleiwa. “Não tirava os olhos delas em ação, tentava extrair o máximo dessa aula de surf ao vivo que estava tendo o privilégio de acompanhar”, comentou.

Manu Pacheco em ação na temporada havaiana. Foto Bruno Lemos.

Após sua volta ao Brasil, nem deu tempo de chegar em casa e desfazer as malas. Na mesma semana, Manu Pacheco embarcou para o Pará junto com a equipe catarinense de surfe para disputar a primeira etapa do Circuito Brasileiro de Surf Amador, peomovido pela Confederação Brasieira de Surf (CBS), onde SC foi campeão. Conversando com a menina, fica evidente a empolgação em seus gestos e palavras por tudo que passou num dos lugares mais emblemáticos do surfe mundial. Com o patrocínio novo da Vida Marinha, Manu Pacheco continua seu processo de evolução nas ondas. Ela sabe que, para isso, precisa de persistência e foco, o que a jovem surfista mostrou ter de sobra. Boa Manu!

Com informações de Prime Press – João Lopes

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!