Filipe Toledo e Adriano de Souza avançam para terceira fase em Pipeline

Filipe Toledo mostrou habilidade em Backdoor. Foto Kelly Cestari/WSL

Filipe Toledo mostrou habilidade em Backdoor. Foto Kelly Cestari/WSL

Os paulistas Filipe Toledo e Adriano de Souza avançaram para a terceira fase do Billabong Pipe Masters nesta sexta-feira, e continuam na briga pelo título do Mundial da World Surf League. Os dois brasileiros venceram suas baterias de repescagem e se juntam a Gabriel Medina e Ítalo Ferreira, já classificados para o Round 3. Jadson André , Wiggolly Dantas e Miguel Pupo ainda podem se juntar aos quatro no complemento das baterias de repescagem que estão rolando com boas ondas em Pipeline.

O mar amanheceu um pouco menor em relação a quinta-feira, mas o swell de norte tem proporcionado boas ondas em Pipe, a onda para esquerda, e também em Backdoor, a onda surfada para a direita. A repescagem foi colocada em sistema de dual heat, com duas baterias simultâneas. No primeiro duelo, Filipe Toledo contrariou as bolsas de apostas que garantiam favoritismo para Bruce Irons, e colocou o havaiano em combinação com uma boa seleção de ondas, apostando também em Backdoor.

Eu estava bem nervoso, não pelo fato do título mundial, mas por estar competindo com o Bruce (Irons), um cara que desde criança eu assistia os vídeos dele e do irmão, o Andy (Irons), surfando aqui, fazendo coisas absurdas, uns aéreos muito altos, um tubo melhor do que outro”, enaltece Filipe Toledo. “Eu estava muito focado, mas ao mesmo tempo emocionado de estar competindo com ele, porque é um nome de peso, tem muita história, então poder vencê-lo no quintal da casa dele, não tem sensação melhor. Acho que toda pressão do primeiro rounde saiu agora nessa bateria. Estou mais confiante do que nunca, o Backdoor tá funcionando, é o que eu mais gosto, então vamo que vamo”.

Bruce Irons. Foto Kelly Cestari/WSL

Bruce Irons. Foto Kelly Cestari/WSL

Na outra bateria, Brett Simpson tentava se manter na elite do surf mundial, mas o australiano Taj Burrow foi cirúrgico e também achou a onda da vitória em Backdoor e acabou com as chances do americano. Na terceira bateria, Adriano de Souza controlou o duelo com o jovem australiano Jack Robinson, mas precisou de Backdoor para se impor e assegurar a vitória nos últimos minutos.

Eu sabia desde que treinei de manhã que ia ser só Backdoor. Tentei algumas em Pipe, mas o vento não tá colaborando, não estavam abrindo as portas, então vi que o jogo ia ser no Backdoor”, disse Adriano de Souza. “Com todas essas temporadas que tenho passado aqui, eu aprendi muita coisa dessa onda. Acho que o meu Anjo da Guarda e Deus têm me abençoado muito, em ter mandado aquela onda boa e estou dentro, muito feliz por ter passado pro rounde 3. Sei que vai ser muito difícil, mas se for pra ser meu, vai ser. Acredito muito nisso, acredito no meu potencial, toda minha dedicação, acho que todos os planetas têm que se alinhar para eu ser campeão aqui, então estou bem focado, bem concentrado e espero que as coisas aconteçam a meu favor”.

Das duas vitórias brasileiras, vale ressaltar que Filipe Toledo assegurou a liderança do ranking, devido aos descartes, e pode ser campeão mundial se todos os candidatos ao título forem eliminados na terceira fase. Mick Fanning vai encarar o havaiano Jamie O’Brien e sabemos o que o local de Pipeline é capaz de fazer.

Kelly Slater avançou no Pipe Masters.

Kelly Slater avançou no Pipe Masters.

A outra batalha decisiva nas baterias da segunda fase na sexta-feira foi pelas últimas vagas no grupo dos 22 primeiros do ranking, que são mantidos na divisão de elite da World Surf League. Os mais ameaçados eram o brasileiro Jadson André, o havaiano Keanu Asing e o taitiano Michel Bourez. O californiano Brett Simpson foi o primeiro a se despedir, na derrota para Taj Burrow no segundo confronto do dia. Adam Melling manteve a esperança ao ganhar o duelo australiano com Matt Wilkinson. Depois, o havaiano Dusty Payne perdeu para Kelly Slater e também está fora do CT 2016 e da briga pelo título da Tríplice Coroa Havaiana.

Na disputa seguinte, Jadson André competiu numa hora ruim do mar, com poucas ondas abrindo os tubos e perdeu para Sebastian Zietz por 10,50 a 6,74 pontos. O havaiano é um dos que podem entrar no G-22 e o potiguar depois caiu para a última posição na lista, com a classificação de Keanu Asing para a terceira fase. O havaiano ultrapassou Jadson e o taitiano Michel Bourez, que agora dividem o 21º lugar. Para superar os dois, Zietz precisa chegar nas quartas de final em Pipeline, enquanto Adam Melling, Jordy Smith e até C. J. Hobgood, que já anunciou sua aposentadoria, só passam dos 19.950 pontos de Jadson André nas semifinais.

Jadson Andre. Foto Laurent Masurel/WSL

Jadson Andre. Foto Laurent Masurel/WSL

A próxima chamada acontece neste sábado, a partir das 15h, horário de Brasília. Mais informações acesse www.worldsurfleague.com.

Round 2
H1- Filipe Toledo BRA 14.23 a 5.07 Bruce Irons HAV
H2- Taj Burrow AUS 13.77 a 11.20 Brett Simpson EUA
H3- Adriano de Souza BRA 13.10 a 12.50 Jack Robinson AUS
H4- Adam Melling AUS 15.50 a 4.46 Matt Wilkinson AUS
H5- Julian Wilson AUS 12.83 a 6.00 Wade Carmichael AUS
H6- Adrian Buchan AUS 13.17 a 6.50 Miguel Pupo BRA
H7- Kelly Slater EUA 15.57 a 14.49 Dusty Payne HAV
H8- Sebastian Zietz HAV 10.50 a 6.74 Jadson Andre BRA
H9- Glenn Hall IRL 8.60 a 7.80 Nat Young EUA
H10- Keanu Asing HAV 10.33 a 4.90 Kolohe Andino EUA
H11- Joel Parkinson AUS 13.93 a 5.43 Ricardo Christie NZL
H12- Jordy Smith AFS 16.00 a 4.87 Wiggolly Dantas BRA

ROUND 3
H1 – Gabriel Medina BRA x Jordy Smith AFS
H2- Bede Durbidge AUS x Keanu Asing HAV
H3- Ítalo Ferreira BRA x C.J. Hobgood EUA
H4- Kelly Slater EUA x Michel Bourez TAH
H5- Mick Fanning AUS x Jamie O’Brien HAV
H6- John JohnFlorence HAV x Taj Burrow AUS
H7- Filipe Toledo BRA x Mason Ho HAV
H8- Joel Parkinson AUS x Kai Otton AUS
H9- Jeremy Flores FRA x Sebastian Zietz HAV
H10- Julian Wilson AUS x Adam Melling AUS
H11- Josh Kerr AUS x Adrian Buchan AUS
H12- Adriano de Souza BRA x Glenn Hall IRL

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!