Transat Jacques Vabre 2015 termina com recorde de desistências

Transat Jacques Vabre 2015 foi encerrada nesta sexta-feira. Foto Jean Marie Liot/DPPI/TJV2015

Transat Jacques Vabre 2015 foi encerrada nesta sexta-feira. Foto Jean Marie Liot/DPPI/TJV2015

A Transat Jacques Vabre 2015 terminou nesta sexta-feira (27) com a chegada do último barco em Itajaí (SC), destino final da maior regata transatlântica do mundo. O barco CRENO Moustache Solidarire cruzou a linha de chegada após 33 dias de prova. Todos os 25 dos 42 barcos que conseguiram completar a regata até o Brasil percorreram 10 mil quilômetros desde Le Havre, na França.

A edição atual – que largou em 25 de outubro – bateu o recorde de desistências com 17, duas a mais do que em 2011. As frentes frias no Golfo de Biscaia – entre o Norte da Espanha e o Nordeste da França – causaram os maiores estragos às duplas. “A regata foi bastante difícil, principalmente no Golfo de Biscaia. Pegamos três grandes tempestades, um batismo e tanto para o nosso time. Posso dizer que agora estamos preparados para outro desafio desse porte na vela oceânica“, contou o brasileiro Renato Araújo, que fez dupla com o campeão olímpico Eduardo Penido a bordo do Zetra Biscaia.

Os brasileiros na Trabsat Jacques Vabre 2015: Eduardo Penido e Renato Araújo. Foto Jean Marie Liot/DPPI/TJV2015

Os brasileiros na Trabsat Jacques Vabre 2015: Eduardo Penido e Renato Araújo. Foto Jean Marie Liot/DPPI/TJV2015

Foi o primeiro barco do País na história do evento. “Pegamos 10 dias de tempo ruim, comemos mal, tive um problema no joelho, velas e equipamentos quebrados e muito mais. A primeira tempestade foi difícil, a segunda mais fraca e a terceira quebrou o enrolador da vela de proa. Sem contar outros problemas que surgiram e fomos solucionando no percurso“.

A regata Transat Jacques Vabre contou com dois resgates de velejadores por helicóptero no Atlântico Norte e um barco que bateu em um contêiner e teve de abandonar. As outras desistências foram causadas por quebras diversas. A tradicional prova foi dividida em quatro categorias entre monocascos e multicascos. Do primeiro a chegar ao Brasil, que foi o trimarã MACIF, até o lanterninha CRENO, a diferença de tempo foi de quase 21 dias.

TEMPOS E CHEGADAS:

Classe: Ultime – até 102 pés
Vencedor: Macif
Data: 06/11/2015
Tempo: 12 dias, 17 horas e 29 minutos

Classe: IMOCA 60 pés
Vencedor: PRB
Data: 11/11/2015
Tempo: 17 dias e 22 minutos

Classe: Multi50
Vencedor: FenêtréA Prysmian
Data: 11/11/2015
Tempo: 16 dias, 22 horas e 29 minutos

Classe: Class40 – 40 pés
Vencedor: Le Conservateur
Data: 18/11/2015
Tempo: 24 dias, 8 horas e 10 minutos

SOBRE A TJV 2015

A regata, que é disputada em duplas, larga sempre da cidade portuária de Le Havre, na Normandia, com destino a um país produtor de café, característica que lhe rendeu o apelido de “Rota do Café”. Já tendo passado por cidades como Cartagena (Colômbia), Puerto Limon (Costa Rica) e Salvador (BA) em 11 edições, essa foi a segunda vez que a competição teve a cidade catarinense como chegada. Em 2013, a regata reuniu mais de 590 mil visitantes nas duas Vilas da Regata (Le Havre e Itajaí).

Mais informações no site www.transat-jacques-vabre.com/br
Facebook: https://www.facebook.com/Transat.Jacques.Vabre
Twitter: https://twitter.com/TransatJV_br

Por Flávio Perez e Raquel Cruz – OnBoardSports

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!