Brasileiros superam quebras na regata Transat Jacques Vabre

Eduardo e Renato, os brasileiros na Transat Jacques Vabre. Foto Flávio Perez/ OnboardSports

Eduardo e Renato, os brasileiros na Transat Jacques Vabre. Foto Flávio Perez/ OnboardSports

O pior já passou“, disse o campeão olímpico Eduardo Penido, que comanda o Zetra, único barco tripulado por brasileiros na Transat Jacques Vabre 2015. A maior regata transatlântica do mundo, que tem como destino final a cidade de Itajaí (SC), é um verdadeiro teste para todas as equipes.

Para não entrar na estatística de quebras desta edição – já são 12 desistências desde a largada em Le Havre, na França – os brasileiros Eduardo Penido e Renato Araújo trocou a velocidade pela segurança. Mas mesmo assim a força dos ventos e as ondas na passagem pelo Golfo de Biscaia fizeram estragos no veleiro brasileiro. Na madrugada da última sexta-feira (29), o Zetra teve problemas na vela que fica na frente do barco, chamada de proa. “Após a passagem pela última depressão – a mais forte de todas, uma vela de proa arrebentou no meio da tempestade junto com o enrolador. Por isso perdemos muita altura. Estamos mais a Leste, mas nossa intenção era navegar mais a Oeste“, disse Renato Araújo. “Vamos esperar o mar mais calmo e a proa mais seca para fazer o reparo. Por enquanto, essa vela não nos faz falta, mas será necessária mais pra frente“.

Renato nos ajustes do Zetra antes da partida. Foto Flávio Perez/OnboardSports

Renato nos ajustes do Zetra antes da partida. Foto Flávio Perez/OnboardSports

No placar das 9h deste sábado (31), o Zetra ocupava a oitava colocação da Class40. O barco é que mais está mais próximo da costa africana na categoria. A média de velocidade nas últimas 24 horas foi de 9.8 nós e o veleiro brasileiro andou 390 quilômetros. O líder da classe é o Le Conservateur, mais de 400 quilômetros na frente do Zetra. “A passagem pelos ventos alísios portugueses deveria ser melhor. A gente gostaria de estar mais a Oeste para pegar o vento a favor, mas por causa do problema mudamos. Pra compensar isso, a nossa estratégia foi andar mais contra o vento“, explicou Renato Araújo.

Desde a largada em 25 de outubro, a Transat Jacques Vabre registrou 12 abandonos, que variam de quebras ou capotagem. O recorde são 15 desistências na edição de 2011. “Já superamos o maior problema. Acabaram as tempestades e o astral a bordo melhorou um pouquinho. Ainda pegamos um pouco de vento forte, mas agora a favor“, disse Eduardo Penido.

Lista dos barcos que estão fora da Transat Jacques Vabre
Team Concise (Class40)
Bretagne Crédit Mutuel (Class40)
Earendil (Class40)
Le French Tech Rennes Saint Malo (Multi50)
Safran (IMOCA)
Adopteunskipper.net (IMOCA)
SMA (IMOCA)
Edmond de Rothschild (IMOCA)
Aerocampus (IMOCA)
Maître CoQ (IMOCA)
Prince de Bretagne (Ultime)
Actual (Ultime)

Mais informações no site www.transat-jacques-vabre.com/br
Facebook: https://www.facebook.com/Transat.Jacques.Vabre
Twitter: https://twitter.com/TransatJV_br
Por Flávio Perez e Raquel Cruz – www.onboardsports.com.br

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!