Morte em 2006 alerta para perigos da sétima etapa da Volvo Ocean Race

O holandês Hans Harrevoets, 32 anos, morreu afogado após uma onda varrer o convés de seu barco, o ABN AMRO TWO. Foto ABN Amro

O holandês Hans Harrevoets, 32 anos, morreu afogado após uma onda varrer o convés de seu barco, o ABN AMRO TWO. Foto ABN Amro

O dia 18 de maio de 2006 entrou para história da Volvo Ocean Race. A data marca o triste aniversário da morte do holandês Hans Harrevoets. O velejador de 32 anos morreu afogado após uma onda varrer o convés de seu barco, o ABN AMRO TWO.

A situação da etapa entre Nova Iorque e Portsmouth ficou ainda mais negativa, pois o barco com o corpo do atleta a bordo foi resgatar a tripulação do Movistar, comandado pelo holandês Bouwe Bekking, que afundou no mesmo período no Atlântico Norte. Foi a última das cinco ocorrências fatais da Volta ao Mundo em 42 anos de história.

A regata é um álbum de fotos repleto de sentimentos fortes e momentos de emoção. Eu nunca vou esquecer do discurso de Petra van Rij, viúva de Hans Horrevoets que tragicamente perdeu a vida na edição de 2005-2006. Na cerimônia de premiação, ela pediu para ninguém esquecer o que a regata significa. A Volvo Ocean Race é real“, disse Knut Frostad, CEO da Volvo Ocean Race. Desde a edição 2010/2011, o holandês empresta o nome para o prêmio específico de velejador revelação (rookie) da competição.

Petra Horrevoets, a viúva do velejador e as duas filhas na cerimônia de premiação da edição 2011-2012. Foto Ian Roman/Volvo Ocean Race

Petra Horrevoets, a viúva do velejador e as duas filhas na cerimônia de premiação da edição 2011-2012. Foto Ian Roman/Volvo Ocean Race

Hoje, os velejadores estão no mesmo Atlântico disputando a sétima etapa entre Newport e Lisboa. Os barcos deixaram os Estados Unidos no domingo (17) e devem demorar até nove dias para completar o percurso de mais de 5 mil quilômetros até Portugal.

Se você olhar para a história, a etapa reserva quebras de equipamento, um barco afundado e uma pessoa que perdeu sua a vida. Sabemos que estamos indo para a Europa e as equipes vão levar ao extremo“, disse Bouwe Bekking, hoje comandante do Team Brunel.

No placar, Dongfeng e Abu Dhabi puxam a fila da liderança. Os dois disputam claramente o título desta edição. Atrás aparecem quase iguais MAPFRE, Team SCA, Team Brunel e Team Alvimedica. Mas as posições mudam constantemente.

Team Brunel é comandado pelo holandês Bouwe Bekking. Foto Stephan Coopers/Volvo Ocean Race

Team Brunel é comandado pelo holandês Bouwe Bekking. Foto Stephan Coopers/Volvo Ocean Race

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!