Crocodilo ataca na Costa Rica e tubarão branco assusta surfistas na África do Sul

De exemplo de ecoturismo à ameaça, os crocodilos se tornaram alvo de discussão na Costa Rica. Foto Lindsay Fendt/Tico Times

De exemplo de ecoturismo à ameaça, os crocodilos se tornaram alvo de discussão na Costa Rica. Foto Lindsay Fendt/Tico Times

Um ataque de crocodilo na Costa Rica e o susto provocado por um tubarão branco na África do Sul estão tomando o noticiário de sites e blogs especializados em surfe. Não é de hoje que ocorrências desse tipo são relatadas e sempre vale o alerta.

Na América Central, o canadense Val Muscalu foi mordido no pé esquerdo, enquanto esperava por uma onda na Praia de Tamarindo no último dia 6 de março, primeiro dia de sua surftrip. Ex-jogador da equipe de pólo aquático da seleção do Canadá, Val teve força suficiente para nadar até a praia e ser socorrido por outros surfistas que logo fizeram um torniquete no pé esquerdo dilacerado pela mordida. Só quando estava a caminho do hospital é que ele soube que se tratava de um crocodilo.

Eu achava que era um tubarão, mas outras pessoas na praia viram o crocodilo nadar de volta para o rio“, contou Val ao jornal local Tico Times.

De acordo com o médico Luis Diego Herrera que atendeu o surfista, “houve danos até o tendão, mas poderia ser muito pior“.

O pé esquerdo costurado do surfista canadense. Foto Val Muscalu/Cortesia

O pé esquerdo costurado do surfista canadense. Foto Val Muscalu/Cortesia

Crocodilos não costumam atacar seres humanos. E a maioria dos ataques que ocorrem não são fatais. Mas nem todo mundo sai tão fácil da água como Muscalu. Normalmente, os crocodilos mordem suas presas e as arrastam para debaixo d’água. O ataque segue uma série de outros registrados nos últimos anos. No ano passado, um homem foi comido vivo durante uma tentativa de nadar embriagado no Rio Tarcoles, infestado de crocodilos.

Desde 2013, outros cinco ataques foram registrados, incluindo um surfista espanhol em outubro de 2013 – no mesmo local onde Muscalu foi atacado. Não há como confirmar se os dois ataques foram feitos pelo mesmo crocodilo, mas os moradores dizem que, ao longo dos últimos anos, viram um “crocodilo especial” deixar a boca do rio da vizinha Playa Grande para caçar.

A legislação da Costa Rica permite a realocação ou eutanásia de crocodilos em casos de superpopulação ou, em casos raros, para a segurança. Mas os especialistas dizem que, muitas vezes são as pessoas e não os crocodilos que causam um problema. Isto porque os guias estão acostumados a alimentar os crocodilos como parte das ações de ecoturismo desenvolvidas na Costa Rica pelo operadores turísticos.

Além de remover os crocodilos, outras formas de prevenir ataques são estudadas. Os moradores notaram por exemplo que o crocodilo que deixa a foz do rio geralmente faz isso no início da manhã ou final da tarde, quando há mais peixes na área. A solução pode ser orientar os surfistas a ficarem longe da foz do rio durante esses determinados momentos do dia.
Apesar do susto, o canadense disse que não vai desistir de surfar na Costa Rica. Uma vez recuperado, ele quer voltar para a água , mas não perto de um foz de rio, nem no final da tarde ou início da manhã. “Poderia ter sido muito pior. Se um desses me puxa para baixo, estaria.”, completou Vuscalu.

TUBARÃO NA ÁFRICA

Reprodução Frame Garage Films. Barbatana aparece ao lado do surfista australiano.

Reprodução Frame Garage Films. Barbatana aparece ao lado do surfista australiano.

Já na África do Sul, o tubarão não atacou, mas os surfistas australianos Mark Mathews, Ryan Hipwood e Rich Vasculit não quiseram arriscar e saíram da água nessa última sexta-feira, 13. Mark conta o que aconteceu em vídeo postado no Instagram da Garage Films. Pela barbatana, o surfista de Maroubra acredita que era um grande tubarão branco, que costuma habitar a costa sul-africana.

Olá, você está curtindo o blog? Deixe o seu comentário!